21 de dezembro de 2009

Sobre um clássico à chuva, numa especie de relvado (ou quase)

Antes de mais, convém esclarecer que trataram-se apenas de 3 pontos, e pouco mais, nesta altura do campeonato.

Benfica muito superior apesar de desfalcado. Na primeira parte, então, foi por demais evidente. Apesar de não ter tido muitas ocasiões para marcar, mandou sempre no jogo e não me pareceu que tivesse sido porque o Porto o tivesse deixado fazer, mas sim porque conseguiram obrigar o Porto a recuar e não construir jogo.
Jesualdo aproveitou para demonstrar o porquê de eu achar que não vão passar com o Arsenal. Vai-se acagaçar e a equipa vai jogar amedrontada contra os ingleses. Em vez de aproveitar as ausências no lado adversário, construiu um meio campo que em nada o ajudou. Hulk só se fez notar dentro do túnel (ao que consta, porque também ainda não vi nada de imagens). Sapunaru também terá aproveitado o túnel, mas no caso deste talvez tenha sido por causa das garrafinhas que ingeriu no avião.

A parte que todos gostam:
- na jogada imediatamente anterior ao golo há um momento em que o Urreta está efectivamente fora de jogo, quando dá o toque de calcanhar;
- o fora de jogo que os portistas reclamam no golo é o de Saviola e esse não existe aquando do “passe” de D.Luiz;
- o penalty pedido pelos portistas não existe, por muito que se esforcem. C.Peixoto desvia a bola em direcção à linha lateral ao mesmo tempo que se dá uma disputa legal ombro-a-ombro entre ele e Hulk;
- penalty claro de Rodriguez, a jogar com a mão, quanto a isso acho que não há discussão. É que nem sequer há qualquer encontrão de um adversário nele que o fizesse desviar da sua trajectória e perdesse noção do lugar da bola;
- cartões amarelos hilariantes ao D.Luiz e Saviola (tal como já tinha acontecido com o Coentrão há uma semana).


De resto, Urreta bastante bem para quem se estreou, J.Garcia e D.Luiz magníficos (se o central jogasse sempre assim sem se envolver em picardias…). Tinha receio de C.Peixoto e depois de Luis Filipe (claro), mas a desinspiração portista e o acerto do meio campo benfiquista fizeram com que corresse tudo bem.

Foi o que consegui ver, da má transmissão que tive o azar de ver…


nota: já agora, só mais um pequeno apontamento sobre mais uma actuação deplorável daquilo a que tentam a todo o custo chamar de "entidade de utilidade publica". A TVI conseguiu prestar mais um pessimo serviço ao, mesmo com as imagens na frente de toda a gente, continuar a insistir na teoria de "tentativa de agressão a Pinto da Costa" à saída do hotel. Verdade que a atitude do adepto (? doente talvez seja a palavra adequada) benfiquista alem de estupida e parva é condenavel, a actuação daquela coisa de televisão é de um mau gosto e de uma falta de ética inqualificaveis. Supostamente têm um código de conduta a seguir, mas isso para eles parece ser batatas. Quando as imagens mostram um homem a chegar-se perto de outro, com as mãos nos bolsos a dizer-lhe impropérios (por acaso pareceu-me que "apenas" lhe perguntou quando é que o outro falecia) estes pseudo-jornalistas continuaram a marrar com a teoria da tentativa de agressão. Só faltou apresentarem como titulo "Pinto da Costa poderia ter dado entrada no hospital depois de brutalmente agredido por tentativa inexistente e falhada de agressão".
Haja vergonha na cara, Julio Magalhães!!!!

Etiquetas: , ,

4 Comentários:

Blogger Nuno disse...

O fora de jogo acontece quando a bola é bombeada da primeira vez para dentro da área. O jogador que dá de calcanhar para trás está fora de jogo.

21/12/09 12:02 da tarde  
Blogger pitons na boca disse...

Não foi o que eu escrevi? Há uma jogada em fora de jogo, a defesa do Porto corta e na jogada seguinte é o golo.

21/12/09 1:42 da tarde  
Blogger Nuno disse...

Tens razão, não tinha lido em condições. Aproveito para dizer que mesmo assim o Porto não merecia nem o empate acima de tudo pela atitude.

21/12/09 2:13 da tarde  
Blogger Dylan disse...

Saíram goradas as expectativas daqueles que tinham a certeza de que o Benfica cairia na classificação do campeonato nacional de futebol no final de Dezembro. Os dias que antecederam o último jogo com o FC Porto revestiram-se de chorrilhos arrogantes por parte do adversário, de que a vitória deste era um facto consumado. Profetas da desgraça travestidos de comentadores desportivos e cartomantes que adivinhavam o onze encarnado, alinhavam-se com os fazedores de notícias em que elementos ligados ao Benfica tentaram agredir e intimidar presidentes de outros clubes bem como árbitros. Como não bastasse o circo montado, na jornada anterior, em Olhão, uma equipa local estranhamente aguerrida amputou o Benfica de importantes atletas. No Domingo passado, a trupe falhou redondamente porque simplesmente menosprezou o dístico da bandeira encarnada - "E pluribus unum" - um entre muitos; uma simbiose de união, esforço, garra e sacrifício que catapultou a vitória.

http://dylans.blogs.sapo.pt/

26/12/09 11:46 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial