22 de setembro de 2009

À beira de um ataque de nervos...

Quem diria que a mesma pessoa que dizia antes do jogo de hoje, para quem a quisesse ouvir:
"Epá, ao Olhanense ganhamos... Não lhes perdoo se não ganharmos!" (Pois, fui eu...)

Acabou o jogo feliz da vida com uma vitória à rasquinha?! Começo a deixar de gostar de futebol (talvez seja por me ter começado a habituar àquele desporto novo que o Sporting joga)...

Como estariam as minhas unhas no fim do jogo, se eu as roesse:



Notas:
- Golaço de Castro, até eu bati palmas;
- O Polga já me mete nojo, andou a vaguear o jogo TODO;
- O Angulo tem menos elasticidade e velocidade que o Shrek (não era nada que não estivesse à espera, mas parecia que estávamos a jogar com 10, até ele sair... Tenho vergonha de admitir isto... Mas fiquei aliviada quando o Floribelo entrou... Ao que eu cheguei!);
- Ficou um penalty por assinalar a favor do Sporting (bem sei que foi bola na mão, mas a bola ia entrar na baliza, quando uma mão, que não era a do guarda-redes, a impede de entrar - penalty indiscutível - na minha humilde análise, claro);
- Foi assinalado um penalty que não o era (fez-me lembrar um certo jogo da época passada, na final de uma certa taça...);
- Ah-Ha! O Liedson não marcou e nós ganhámos! (À rasquinha... Mas ganhámos!);
- Muito bem Olhanense... Continuem a jogar assim, grande personalidade - espero que joguem sempre com a garra e vontade que demonstraram hoje! Adorei, foi uma surpresa agradável (porque o Sporting ganhou, senão, não era propriamente agradável, seria uma simples surpresa...)

Para a semana, vou ter uma garrafa de oxigénio e uma equipa de paramédicos a postos... Para prevenir...

6 Comentários:

Blogger pitons na boca disse...

O ponto 4 não me admira muito, apesar de estar errado. A lei pune a mão intencional, apenas e só. Pouco importa a direcção que a bola toma ou deixa de tomar.
Há intenção de jogar a bola com a mão (ou seja, é mão-na-bola ou bola-na-mão)? Não. Então não há falta. Simples como isto.

Não digo isto agora, por ser a favor ou contra o Sporting. Podes ir ver comentários que tenho deixado pelo 442, algarve desunited ou no aboronha.

Digo e repito a mesma coisa: em Portugal anda-se a fazer uma interpretação demasiado livre (no minimo) da lei, consoante dá mais jeito para as suas cores (e digo isto referente a sportinguistas, portistas e benfiquistas).

A lei é clara, por cá é que se tenta dar voltas e mais voltas consoante o que dá mais jeito para tentar ter razão.
A lei não fala em "espaço natural ocupado pelo corpo quando corta a bola", nem em "a trajetoria que a bola levava antes de bater no braço", nem "seria golo se não batesse no braço".

A bola pode bater no braço do jogador durante um jogo de futebol. Mas a lei diz que só é falta quando o jogador joga propositadamente a bola com o braço. Nem mais... nem menos. ;)

22/9/09 11:39 da manhã  
Blogger EntradàVirilha disse...

Percebo o teu ponto de vista.
Apesar de serem lances bastante diferentes, para mim é como o penalty sobre o Aimar. O defesa do Leiria corta a bola e só depois aparece o Aimar que acaba por ser tocado. Não vejo intenção nenhuma do Leiriense tentar "arrancar" a cabeça ao Aimar como já li em muitos sitios. Mas aceito a marcação do penalty. É como a velha questão da intensidade da força e a força da intensidade.

22/9/09 12:43 da tarde  
Blogger Costureirinha Maravilha disse...

Pitons:
Dizes que o meu ponto 4 está errado... Mas há que analisar as leis e as respectivas condicionantes.

A lei diz que o jogador deverá ser expulso e que a grande penalidade deverá ser assinalada, no caso de um jogador "impedir a equipa adversária de marcar um golo, ou anular uma clara
oportunidade de golo, tocando deliberadamente a bola com a mão".

Até aqui, estamos de acordo... Mas, considero que "deliberadamente" é quando o jogador mexe o braço, ou seja, move o corpo para impedir que a bola passe. Leia-se: quando o jogador efectua um movimento com os braços que não corresponda ao movimento "natural" do corpo na situação.

Resumindo, para mim, um jogador posicionado em cima da linha de golo, que se encontre em movimento e que esteja com os braços abertos e levantados aquando do remate do adversário, está a efectuar um movimento cuja intenção é ocupar o espaço que a bola tem para passar. Logo, é intencional e deliberado (com isto, não quero dizer que ele tenha feito uma grande defesa intencionalmente, acredito que seja instinto, o que não deixa de ser um movimento pouco natural para alguém que não é guarda-redes).

Expliquei-me o melhor que pude. Para mim, é grande penalidade clara, o Miguel Garcia faz um movimento completamente irresponsável, de braços abertos e no ar, que impede a bola de entrar na baliza. Não estava parado, não tinha os braços em posição natural de corrida, não estava a saltar e não estava a tentar proteger a cara.

Volto a referir, isto não passa da minha humilde análise da lei e da situação, o resultado está feito. Podes chamar-lhe clubismo, parcialidade... O que quiseres. Não me considero uma adepta cega e fanática, pelo contrário, até me orgulho de ser bastante justa e imparcial nas análises que faço aos lances (até porque sou a única "não benfiquista" que conheço que concorda com a grande penalidade assinalada contra o Leiria, penso que isto é um indicador da minha imparcialidade...).

Odeio, abomino, detesto discutir arbitragens... Mas enfim, também odeio, abomino e detesto não defender aquilo em que acredito, então lá fiz um esforço, espero que o texto todo que escrevi me explique bem, só peço que não me acusem de ser tendenciosa, pois não o sou, diria o mesmo que disse, fosse qual fosse o clube em questão (bom, se fosse outro provavelmente pensaria o mesmo mas não me daria ao trabalho de escrever aqui, aí sim, admito que seria tendenciosa!)... =)

22/9/09 2:09 da tarde  
Blogger pitons na boca disse...

Sem me debruçar sobre os aspectos da lei (isso vai ter de ficar para quando tiver mais tempo), deixo apenas esta ressalva: pelo que me foi dado a perceber nas imagens que vi (admitindo a possibilidade de ter ficado com a ideia errada) o M.Garcia tem o braço dobrado com a mão junto ao peito, na altura em que a bola lhe toca no cotovelo esquerdo.

A ser verdade darás a mão à palmatória? ;)

Há uma clara diferença entre saltar de braços esticados no ar e ter um braço encolhido (como foi a ideia que fiquei). No primeiro caso há intencionalidade, no segundo não.

Mais logo respondo ao resto (e aproveito para procurar imagens da jogada na net, para tirar o resto das minhas duvias). :)

22/9/09 3:29 da tarde  
Blogger Costureirinha Maravilha disse...

Dou a minha mão à tua palmatória... =)

Só agora descobri um vídeo com as imagens, ainda só tinha visto no jogo.

Tens razão, o braço do Miguel Garcia está aberto e no ar, mas devido ao movimento que está a fazer na direcção da bola, fica para trás. Não é grande penalidade.

Cá está, leva lá a bicicleta!

Fica esta mal assinalada para compensar a que não foi em Braga! Os 3 pontos sabem-me bem na mesma! ;)

22/9/09 7:02 da tarde  
Blogger Pedro Pedrosa disse...

UKRA a representar Vila Nova de Famalicão :)

Golaço de Castro, vá lá que depois d não marcar um penalty claríssimo, marcam um que não tem pés nem cabeças...
Quanto ao não assinalado, acho que o árbitro não viu porque não quis,mas caso o aimar ou di maria estivessem em campo, o penalty seria com toda a certeza marcado... critérios, tadinhos!

Os melhores cumprimentos!

22/9/09 9:05 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial